Papa: Coração de Jesus dê a todos esperança e confiança!

Ao final da Audiência Geral (17/06), o Papa Francisco recordou que amanhã celebramos a Solenidade do Sagrado Coração de Jesus, encorajando os fiéis a apresentarem a Ele “todas as intenções da nossa humanidade sofredora, seus medos e suas misérias”. Read more “Papa: Coração de Jesus dê a todos esperança e confiança!”

Papa: nenhuma tolerância ao racismo, mas não à violência

Ao saudar os fiéis de língua inglesa na Audiência Geral desta quarta-feira, Francisco falou dos protestos nos Estados Unidos depois do assassinato de George Floyd: não podemos pretender defender a sacralidade de cada vida humana e fechar os olhos para o racismo e a exclusão.

Read more “Papa: nenhuma tolerância ao racismo, mas não à violência”

Novas Orientações diante da Pandemia do Corona Virus para a Igreja de Teresina

Aos caros irmãos Sacerdotes, Diáconos, Religiosos(as) e Leigos(as) da Arquidiocese de Teresina, Esperança e paz no Ressuscitado!

Diante da situação que se prolonga e até se agrava, faz-se necessário estender as limitações que afetam a nossa prática litúrgica, em consonância com os Decretos das Autoridades Civis do Estado e Município de Teresina. Read more “Novas Orientações diante da Pandemia do Corona Virus para a Igreja de Teresina”

O Papa reza pelas mães grávidas e alerta para o risco da fé “virtual”

Na Missa esta sexta-feira (17/04) na Casa Santa Marta, no Vaticano, Francisco pensou nas mulheres grávidas neste tempo de incerteza. Na homilia, o Papa falou do risco de uma fé gnóstica, sem comunidade e contatos humanos reais, vivida unicamente através do streaming que “viraliza” os sacramentos.

VATICAN NEWS

Francisco presidiu a Missa na Casa Santa Marta, no Vaticano, na manhã desta sexta-feira (17/04) da Oitava da Páscoa. Na introdução, dirigiu seu pensamento às mulheres grávidas:

Gostaria que hoje rezássemos pelas mulheres gestantes, as mulheres grávidas que se tornarão mães e estão inquietas, se preocupam. Uma pergunta: “Em qual mundo meu filho viverá?” Rezemos por elas, a fim de que o Senhor lhes dê a coragem de levar estes filhos adiante com a confiança de que será certamente um mundo diferente, mas será sempre um mundo que o Senhor amará muito.

Na homilia, o Papa comentou o Evangelho do dia (Jo 21,1-14) em que Jesus ressuscitado aparece aos discípulos retornados à margem após uma pesca infrutuosa no mar de Tiberíades. Convidados pelo Senhor a lançar novamente as redes, enchem-nas de peixes. É uma cena – disse Francisco – que se realiza com naturalidade, porque os discípulos tinham crescido na familiaridade com Jesus. Nós, cristãos – explicou –, devemos crescer nesta familiaridade, que é pessoal, mas comunitária. Uma familiaridade sem comunidade, sem Igreja, sem os sacramentos, é perigosa, pode tornar-se uma familiaridade gnóstica, separada do povo de Deus. Nesta pandemia – observou – se comunica através da mídia, mas não se está juntos, como acontece com esta Missa. É uma situação difícil em que os fiéis não podem participar das celebrações e podem fazer somente a Comunhão espiritual. Devemos sair do túnel para voltar (a estar) juntos porque esta não é a Igreja. Que o Senhor – foi a oração do Papa – nos ensine esta familiaridade com os sacramentos e com o santo povo de Deus. A seguir, o texto da homilia transcrita pelo Vatican News:

Os discípulos eram pescadores: Jesus os tinha chamado propriamente no trabalho. André e Pedro estavam trabalhando com as redes. Deixaram as redes e seguiram Jesus. João e Tiago, a mesma coisa: deixaram o pai e os moços que trabalhavam com eles e seguiram Jesus. O chamado foi feito propriamente no trabalho deles de pescadores. E esta passagem do Evangelho de hoje, este milagre, da pesca milagrosa nos leva a pensar em outra pesca milagrosa, aquela contada por Lucas, no capítulo quinto: também ali aconteceu o mesmo. Fizeram uma pesca, quando pensavam não ter (nada). Após a pregação, Jesus disse: “Tomai o largo” – “Mas trabalhamos a noite inteira sem nada apanhar!” – “Ide”. “Confiantes na palavra – disse Pedro – lançarei as redes”. Era tamanha a quantidade (de peixes) – diz o Evangelho – que “foram tomados de espanto”, por aquele milagre. Hoje, nesta outra pesca não se fala de espanto. Vê-se uma certa naturalidade, se vê que houve um progresso, um caminho percorrido no conhecimento do Senhor, na intimidade com o Senhor; direi a palavra justa: na familiaridade com o Senhor. Quando João viu isso, disse a Pedro: “Mas é o Senhor!”, e Pedro vestiu sua roupa e atirou-se na água para ir até o Senhor. Na primeira vez, ajoelhou-se diante d’Ele: “Afasta-te de mim, Senhor, que sou um pecador”. Desta vez não diz nada, é mais natural. Ninguém perguntava: “Quem és?” Sabiam que era o Senhor, era natural, o encontro com o Senhor. A familiaridade dos apóstolos com o Senhor tinha crescido.

Também nós, cristãos, em nosso caminho de vida nos encontramos neste estado de caminhar, de progredir na familiaridade com o Senhor. O Senhor – poderia dizer – é de certo modo “aberto”, mas “aberto” porque caminha conosco, sabemos que se trata d’Ele. Ninguém lhe perguntou, aí, “quem és?”: sabiam que era o Senhor. Uma familiaridade cotidiana com o Senhor, é a do cristão. E, certamente, fizeram a primeira refeição do dia juntos, com o peixe e o pão, certamente falaram de muitas coisas com naturalidade.

Esta familiaridade dos cristãos com o Senhor sempre é comunitária. Sim, é íntima, é pessoal, mas em comunidade. Uma familiaridade sem comunidade, uma familiaridade sem o pão, uma familiaridade sem a Igreja, sem o povo, sem os sacramentos, é perigosa. Pode tornar-se uma familiaridade – digamos – gnóstica, uma familiaridade somente para mim, separada do povo de Deus. A familiaridade dos apóstolos com o Senhor sempre era comunitária, se dava sempre à mesa, sinal da comunidade. Sempre era com o Sacramento, com o pão.

Digo isso porque alguém me fez refletir sobre o perigo deste momento que estamos vivendo, essa pandemia que fez que todos nos comunicássemos também religiosamente através da mídia, inclusive esta Missa, estamos todos comunicados, mas não juntos, espiritualmente juntos. O povo é pequeno. Há um grande povo: estamos juntos, mas não juntos. Também o Sacramento: hoje vocês terão, a Eucaristia, mas as pessoas que estão em conexão conosco (terão) somente a Comunhão espiritual. E esta não é a Igreja. Esta é a Igreja de uma situação difícil, que o Senhor a permite, mas o ideal da Igreja é sempre com o povo e com os Sacramentos. Sempre.

Antes da Páscoa, quando saiu a notícia que eu celebraria a Páscoa em São Pedro (na Basílica de São Pedro) vazia, um bispo me escreveu – um bom bispo: bom – e me repreendeu. “Mas como é possível, (a Basílica de) São Pedro é tão grande, por que não colocam 30 pessoas ao menos, para que se veja as pessoas? Não haverá nenhum perigo…”. Eu pensei: “Mas, o que esse tem na cabeça, para me dizer isso?” No momento, não entendi. Mas como é um bom bispo, muito próximo do povo, algo quererá dizer-me. Quando o encontrar, lhe perguntarei. Depois entendi.

NOTA OFICIAL: VAMOS NOS PREVENIR DO CORONAVÍRUS E EVITAR PÂNICO

Diante das orientações do Ministério da Saúde e da CNBB em relação a pandemia de Coronavírus, a
Paróquia São José Operário na Arquidiocese de Teresina, pede a compreensão dos fiéis e devotos de Nossa
Senhora do Perpétuo Socorro para as seguintes orientações:
1. As nossas celebrações (missas diárias e novenas) permanecem em seus horários habituais, porém sem o
uso do ar-condicionado e com portas abertas, para que tenhamos um ambiente arejado naturalmente (Obs.:
nas terças-feiras todos os horários serão novenas, incluindo os horários que são missas. Não haverá a bênção
da água no altar da bênção. Os objetos religiosos serão abençoados de forma geral no final de cada novena
dentro da igreja);
2. As confissões durante as novenas estão suspensas até que possamos adaptar um local para a preservação
da saúde de todos;
3. Fiéis e devotos com mais de 60 anos e aqueles que têm doenças crônicas, cirurgias recentes de grande e
médio porte, com baixa imunidade, em tratamento de quimioterapia, evitem participar das celebrações, e
permaneçam em oração em suas casas, bem como aqueles que, em plena consciência, percebam que possam
colocar outros em risco de saúde; (Obs.: as novenas e missas do final de semana podem ser acompanhadas
ao vivo na internet pelo canal da paróquia no Youtube – Paróquia São José Operário Teresina);
4. Os encontros quaresmais, reuniões ou similares realizados em ambientes fechados nos grupos e
comunidades estão suspensos;
5. Pedimos às pessoas que evitem o contato próximo, sobretudo, se apresentar sintomas de gripe;
6. Sigam sempre as orientações das autoridades competentes: lavar bem as mãos com água e sabão e utilizar
álcool em gel 70%; utilizar lenços descartáveis para higiene nasal;
7. Ao receber uma notícia nas redes sociais, dedique um pouco do seu tempo para verificar sua veracidade.
Assim, evitaremos o compartilhamento de notícias falsas que geram pânico na população;
8. Aqui no Piauí nossa atenção deve ser maior como ação preventiva. Não há motivo para pânico, porém
diante desse quadro de saúde pública é preciso tomar todas as precauções que dificultem a transmissão do
Coronavírus;
9. Confiemos a vida e nossas famílias à proteção de São José Operário e de Nossa Senhora do Perpétuo
Socorro, rezando com o Papa Francisco: “Sob a Tua proteção, buscamos refúgio, Santa Mãe de Deus. Não
desprezes as nossas súplicas, nós que estamos na provação, e livra-nos de todo perigo, Virgem gloriosa e
abençoada.”
Neste momento, devemos nos unir em oração e perseverar na esperança e no cuidado uns com os outros.
Confiemos o mundo aos cuidados da boa Mãe do Perpétuo Socorro!

 

 

Paróquia encerra Semana da Mulher com celebração eucarística

Na noite de ontem (08) nossa paróquia promoveu na comunidade do Acarape o encerramento da Semana da Mulher.  A ação que teve início no dia 03 de março contemplou a todas as comunidades, levando reflexões e debates em torno dos desafios da mulher, na perspectiva do Evangelho. A atividade foi concluída com a celebração eucarística presidida pelo padre Carlos Augusto.

Durante a celebração as mulheres foram representadas na procissão de entrada pelas imagens de Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora de Fátima e Nossa Senhora Aparecida, títulos da Mãe de Deus.  Os jovens da Pastoral da Juventude do Meio Popular – PJMP ressaltaram em momentos da celebração as dificuldades pelas quais as mulheres passam e a necessidade de se pedir perdão por tantas atrocidades, e de ajudar no combate ao machismo, violência e assédio contra as mulheres.

Na ocasião a comunidade fez uma homenagem a todas as mulheres, com a leitura de uma mensagem de motivação, distribuição de terços e sorteio de brindes.

Embora o clima fosse de festa, através da celebração da eucaristia, o espaço também foi oportuno para alertar a toda a comunidade da importância de se combater ações que diminuem e maltratam a todas as mulheres.Semana.

Paróquia realiza Assembleia e define prioridades para 2020

 

Neste sábado(25)  e domingo(26) a paróquia São José Operário realizou no Centro Guadalupe a Assembleia Ordinária Paroquial 2020. O momento contou com a participação dos coordenadores dos grupos, pastorais e movimentos.

A atividade teve início com a fala do pároco pe. Washington Luis, que destacou o objetivo do evento. ” A ideia é avaliar a caminhada, ações e objetivos, pensando em novos caminhos para nossa paróquia”, destacou.

A assembleia foi mediada pelos membros das Comunidades Francisco Moreira e Socorro Soares.

No primeiro dia os participantes tiveram a oportunidade de destacar pontos positivos e negativos da caminhada de 2019, bem com apresentar sugestões. Os participantes foram divididos em quatro grupos, onde puderam avaliar a caminhada de 2019, com destaque para pontos positivos e negativos, além de apresentar sugestões.

No domingo a atividade teve inicio com um café da manhã , seguido da oração inicial com a reza do Ofício Divino das Comunidades.  Em seguida o representante da arquidiocese de Teresina Chiquinho apresentou diretrizes da ação evangelizadora da Igreja de Teresina – 2019-2023 .

Diante de uma cultura urbana, cada vez mais abrangente e complexa, as Diretrizes Gerais que nortearão a caminhada Pastoral da Arquidiocese de Teresina, no período 2019- 2023, estão estruturadas à partir da imagem da Comunidade  Eclesial Missionária Cristã como “Casa”, “Construção de Deus” ( 1Cor,3,9). “A imagem da Casa que tem um sentido pedagógico e é entendida como lar e espaço de vida”. Assim, a Casa, como elemento concreto, terá como fundamento Pastoral: SINODALIDADE E MISSIONARIEDADE.

Na oportunidade foram apresentados dois serviços voluntários que acontecem na paróquia, como forma de prestação de contas das ações.

O momento foi também de escolher as prioridades paroquiais 2020-2023. A partir delas pretende-se elaborar atividades e ações paroquiais envolvendo os grupos, pastorais e movimentos. As prioridades escolhidas foram: Iniciação a vida cristã (catequese); dízimo e missão, priorizando a ação pastoral junto as famílias e jovens.